Bacia de Sergipe-Alagoas

Situada na margem continental da região nordeste do Brasil, abrange parte dos estados de Sergipe e Alagoas e possui área total em torno de , sendo em mar, até a cota batimétrica de , e na porção terrestre. A Bacia de Sergipe-Alagoas é limitada ao norte com a Bacia de Pernambuco-Paraíba e ao sul com a Bacia de Jacuípe. A produção média de óleo e gás em Janeiro/2018 foi de cerca de por dia, provenientes de 32 campos em atividade, em média, neste período.

As atividades de exploração na Bacia foram iniciadas em 1935, com levantamentos geofísicos e com a perfuração do poço 2-AL-1, comandados pelo Conselho Nacional do Petróleo. A primeira descoberta comercial de petróleo ocorreu em 1957, através do poço TM-1-AL. Após 11 anos, ocorreu a primeira descoberta de petróleo no mar brasileiro, dando origem ao Campo de Guaricema, que produz óleo desde 1973. Em 2007, uma nova fronteira na Bacia foi desbravada, iniciando a produção de óleo leve em águas profundas no Campo de Piranema.

Dos seis mil poços perfurados até hoje na Bacia de Sergipe-Alagoas, cerca de 10% estão localizados offshore. As reservas totais de hidrocarbonetos da região são de aproximadamente 390 milhões de bbl de petróleo e de gás, de acordo com dados de Dezembro/2016 da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), e não incluem as descobertas realizadas pela Petrobras em águas ultra-profundas a partir de 2012.

Sergipe-Alagoas ocupa cada vez mais posição de destaque dentre as bacias brasileiras devido ao seu alto índice de sucesso geológico, com seis descobertas em águas ultra profundas notificadas entre 2012 e 2015, em blocos oriundos da 6ª Rodada de Licitações. Foram submetidos sete planos de avaliação à ANP, dentre eles, destacam-se os de Moita Bonita, Barra e Farfan. Tratam-se de seis acumulações em arenitos turbidíticos da Fm. Calumbi, de idade do Cretáceo Superior. O PAD de Farfan prevê a realização de um Teste de Longa Duração em 2018.

Blocos SEAL-M-351, SEAL-M-428, SEAL-M-501, SEAL-M-503, SEAL-M-430 e SEAL-M-573

Na 13ª Rodada de Licitações da ANP, a QGEP adquiriu 100% de participação e operação em duas concessões localizadas na Bacia de Sergipe-Alagoas: os Blocos SEAL-M-351 e SEAL-M-428, com área total de . Em Setembro/2017 a QGEP concluiu um acordo de venda de participação com as companhias Exxon Mobil e Murphy Oil, onde as mesmas se tornaram parceiras em ambos os blocos com 50% e 20% de participação respectivamente. Na 14ª Rodada de Licitações da ANP o mesmo consórcio adquiriu mais dois blocos nessa Bacia, SEAL-M-501 e SEAL-M-503, sendo a Exxon Mobil a operadora dessas concessões.

A QGEP ofertou R$100,0 milhões em bônus de assinatura pela participação nos dois blocos exploratórios da 13ª Rodada, sendo R$63,9 milhões para o Bloco SEAL-M-351 e R$36,1 milhões para o Bloco SEAL-M-428, ambos os valores equivalentes ao bônus mínimo requerido na licitação. No programa exploratório mínimo (PEM) firmado com a ANP, há a previsão de aquisição de sísmica 3D para os dois blocos, o que deverá ser realizado em 2018, com investimento previsto em torno de US$15 milhões. Nos blocos da 14ª Rodada, foram pagos R$62,8 milhões pelo Bloco SEAL-M-501 e R$47,1 milhões pelo Bloco SEAL-M-503 a título de bônus de assinatura. O compromisso assumido será realizado também através de aquisição sísmica 3D. Em relação ao conteúdo local, para os quatro blocos, o compromisso será de 18% na fase de exploração, 25% para perfuração, 40% para subsea e 25% para UEP na fase de desenvolvimento e 55% na fase de desenvolvimento, de acordo com as regras da 14ª Rodada que será aplicada também para os blocos da 13ª Rodada.

Os prospectos identificados são do tipo pós-sal e os principais reservatórios até o momento são arenitos turbidíticos do Cretáceo Superior, com as rochas geradoras da seção marinha de idade Albo-Turoniana. Os blocos estão localizados entre e de distância da costa, em águas ultra profundas, com lâmina d’água entre e . São limitados a oeste com blocos onde ocorreram recentes descobertas de óleo leve de excelente qualidade, as quais se encontram em fase de delimitação. O fluido esperado na região é predominantemente óleo leve.

Na 15ª Rodada de Licitações da ANP, a QGEP expandiu sua presença na Bacia de Sergipe-Alagoas ao adquirir participações em mais dois blocos, SEAL-M-430 e SEAL-M-573. Em parceria com a Exxon-Mobil, operadora com 50% de participação, e a Murphy Oil, com 20%, a QGEP adquiriu 30% de participação. Estes blocos são adjacentes aos blocos SEAL-M-351, SEAL-M-428, SEAL-M-501 e SEAL-M-503, detidos pelo mesmo consórcio, e apresentam prospectos de médio a baixo risco com alto potencial. O valor total do bônus de assinatura foi de R$ 7,3 milhões, R$ 2,2 milhões líquidos para a QGEP.

 

Última atualização em 2018-04-12T18:46:39

Downloads


Apagar este documento do carrinho
Limpar Lista Baixar Documentos